Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Não me imagino num trabalho que não tenha contacto com o público, muitas vezes é chato e sabendo que fica mal dizer isto eu vou dizê-lo na mesma, muitas vezes as pessoas são más e fazem-no de propósito. Há dias em que parece que mais nada de mal pode acontecer e mesmo assim aparece outra situação para nos provar o contrário. 

Felizmente em três anos de atendimento ao público estas situações ficam lá bem em baixo, são poucas e diariamente acontecem outras que me deixam feliz e remetem as más experiências para o fundo da minha mente. Passa de tudo um pouco pelas nossas mãos e ainda bem, há dias em que fico tanto tempo seguido a atender e a passar artigos que se não fosse a peculiaridade de cada um dos clientes sentia-me como uma máquina: "Boa tarde/Vai desejar saco?/Tem cartão?/Vai desejar contribuinte na fatura?", naquelas horas o cliente chato, o que gosta de achar que tem sempre razão, o amoroso, o que só quer despachar-se dali para fora tornam-nos humanos porque fazem com que nós tenhamos de ter atenção a cada um deles e não mexer apenas os braços o mais rápido que conseguimos para fazer bons tempos na caixa e diminuir a fila. 

Presenciamos todos os dias situações insólitas e há umas que me tocam verdadeiramente. Lá na loja existe uma senhora que se reformou para cuidar dos pais, infelizmente o casal adoeceu ao mesmo tempo e a tal senhora acabou por pedir a reforma antecipada. Vocês dirão: "E então Filipa? Não é algo assim tão raro.". É, vocês sabem que é. Quantas histórias ouvimos de idosos que são abandonados nos hospitais ou em lares? Vocês deviam só ver o cuidado e o carinho com que aquela senhora fala dos pais, ela chega a passar uma hora na loja (que é minúscula) e a maioria das coisas são para eles. Dou valor e fico mesmo tocada por atitudes como estas da mesma maneira que fico horrorizada quando leio histórias contrárias. 

Há muito tempo que atendo também uma senhora que tem um filho com trissomia 21 (é o que me parece) e o seu marido também ficou um pouco perturbado deixando de conseguir ser uma pessoa "normal". Há dias em que ela aparece-me na caixa com um ar muito abatido, já não é nova e os problemas de saúde por vezes são um problema mas na maioria das vezes aparecem sempre os três, ela a clara comandante da tripulação, o marido e o filho a reboque dela. Nunca a vi dirigir uma palavra mais brusca a nenhum deles, tem a maior calma do mundo e enquanto me paga a conta encarrega-os de arrumar as compras, mesmo que depois de pagar tenha de arrumar tudo ela outra vez. 

Estas pessoas são incriveis, olho para elas e considero-as uma inspiração, dá gosto atender mesmo que atrás delas venham pessoas intragáveis que só nos fazem querer soltar uns impropérios (seria lindo). Este é um dos privilégios de poder lidar com a nossa espécie todos os dias, aprendemos sempre algo, rimos de alguma situação e sinceramente, se estas pessoas sorriem para a vida, como posso eu não me sentir motivada e inspirada para trabalhar e ser melhor? Sabem o que é pior? Nunca poderei dizer a estas pessoas o quanto elas me inspiram e o quanto gosto de as atender, seria no minimo estranho mas ao mesmo tempo seriam palavras que mereceriam ouvir. Mereciam ou não mereciam um desconto especial por serem pessoas absolutamente espetaculares?  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Mensagens


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

De Ténis e Garfo na Mão

Vê a minha história gastronómica na Zomato!

De Ténis e Livro na Mão


De Ténis e Música no Ouvido

“Without music, life would be a mistake.” ― Friedrich Nietzsche