Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

De Ténis e Livro na Mão

Façam o favor de ser felizes!

De Ténis e Livro na Mão

Façam o favor de ser felizes!

25
Mai17

[Road To Portugal 2018]: Uma semana depois.

Filippa

25 de maio de 2017. Juro que ainda hoje parece mentira. Aquilo aconteceu mesmo? A votação foi mesmo assim tão grande? O Salvador ganhou mesmo? Portugal saiu mesmo da cepa torta no que diz respeito à eurovisão? 

Juro que desde o dia 13 de maio que ando nas nuvens, os dois dias que se seguiram à vitória consumi tudo o que foram notícias na internet, aberturas de noticiários, comprei revistas em que o Salvador fez capa (calma aí revistas cor-de-rosa, lamento mas a vida amorosa do vencedor da eurovisão não me interessa), não arredei pé do grupo no facebook onde sigo as noticias da eurovisão, vi e revi a atuação do Salvador e também as votações, foi um consumo extremo de eurovisão. Fiquei maravilhada com os comentários de pessoas de outros países que falavam bem, chateada quando escreviam que era o pior vencedor de sempre. Como assim o pior vencedor de sempre? Vencemos a votação do júri e o televoto e ainda têm a lata de dizer que somos o pior vencedor de sempre? Somos é o melhor vencedor de toda a história, isso sim! 

Tem sido uma semana fantástica, arrisco-me a dizer que o efeito da vitória na eurovisão e toda a felicidade que em mim provocou vai-se prolongar por muitos meses, provavelmente até maio de 2018. 

Como já escrevi noutros posts, eu trabalho diretamente com o público. Sendo operadora de caixa num supermercado é fácil sentir o pulso às pessoas e nestas alturas é sempre muito engraçado ver como as pessoas reagem. Quando Portugal venceu o europeu de futebol para além do dinheiro a mais que fizemos em bebidas e aperitivos notava-se que as pessoas estavam diferentes, apressadas porque queriam ir ver o jogo, confiantes porque Portugal tinha a oportunidade de vencer e havia algo mais, Portugal não é um país habituado a vencer, como tal os portugueses não são pessoas que já estejam enjoadas de êxitos e quando chegam estas alturas acho que as próprias pessoas não sabem como reagir, ou estão confiantes demais ou pessimistas até à cova. 

No dia a seguir à vitória do Salvador não fui trabalhar mas na segunda quando voltei não se falava de outra coisa, os adultos nem falavam muito, os adolescentes muito menos mas a "terceira idade" não se calava com a eurovisão. É bom lembrar que foram os nossos avós que inauguraram o festival da canção, se há pessoas que conhecem o calvário de Portugal no certame são eles e por isso acaba por ser normal que sejam os que estejam mais felizes com este triunfo.

"Oh menina viu a nossa vitória?", "Ah eu quando ouvi a música disse logo que íamos ganhar", "A nossa canção era a mais bonita de todas", "Venceu pela simplicidade, os irmãos fizeram um milagre". Foi bonito de ouvir e ver os sorrisos nas caras, eu como fã incondicional da eurovisão quando alguém tocava no assunto só me apetecia era ficar horas e horas a debater mas rapidamente voltava à realidade de que estava no meu local de trabalho e que tinha era de fazer a fila andar. 

Continuo de coração cheio e ao contrário do presidente da República não fico preocupada por os portugueses agora acharem que vão ganhar tudo, meus amigos nós só não conseguimos o que não queremos. Somos incriveis 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Filippa

    É verdade, as mais antigas hoje em dia são autênti...

  • sacha hart

    Como as tendências mudam de verão para verão!

  • Filipa

    "mas não me posso esquecer que sou a imagem da emp...

  • Bruxa Mimi

    O início do post poderia ter sido escrito por mim:...

  • Aninhas

    Minha qda atendimento ao público é PÉSSIMO! Mesmo ...

Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D